li-lo

viemos da mesma fonte,
eu e ele,
mas,
        num desvio,
passamos a ser
só sal
e ardiam-nos
as feridas.

a maré imã
nos fez
ilhas.

as águas levaram anos
pra lavar as ondas,
calar a ressaca
e sanar os cortes
do deserto, do silêncio e das palavras.

e aí foi que esse delta,
destino sem fórmula,
no curso do doce,
nos fez de novo
irmãos.

amar é imã.

7 comentários:

  1. Oi Daniel,

    A vida! Mistério é viver...

    ResponderExcluir
  2. Tá virando rotina abrir seu blog e chorar... Não sei falar, só sentir. É tão forte que assusta.
    Amo você.

    ResponderExcluir
  3. Ô, sapinho... lembrei chorosamente do meu irmão. rsrrs. Lindo!
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. esses imãs semeam os melhores irmãos!!
    adorei!!

    ResponderExcluir
  5. Déniel, do bom demais! Haja corte refinado e tempero de letra!

    ResponderExcluir
  6. Sou tua fã, tua tia e o que voce quiser mais.

    Beijos. Saudades!! Vai um bolo de chocolate aí?

    ResponderExcluir